Formulário de Busca

09/06/2008 - 20h46 - Atualizado em 10/06/2008 - 07h20

TJ mantém proibição de fumar em locais fechados no Rio

Pedido havia sido feito pela Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares.
Liminar visava suspender os efeitos do decreto até a data do seu julgamento.
Do G1, no Rio entre em contato
ALTERA O
TAMANHO DA LETRA

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) negou, nesta segunda-feira (9), por 12 votos a oito, uma liminar contra o decreto que proíbe o fumo em recintos coletivos fechados. Ou seja, continua valendo o decreto municipal publicado no Diário Oficial no mês passado. Nos locais em questão, deverão ser afixados avisos indicando a proibição.

 

Segundo o relator da ação, desembargador Sergio Cavalieri Filho, o município pode, neste caso, estabelecer regras, de acordo com o artigo 196 da Constituição Federal que diz: "A saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos".

 

O pedido foi feito pela Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares. O documento visava suspender os efeitos do decreto até a data do julgamento, ainda não divulgada. A federação alegou também, em sua defesa, que o decreto viola o princípio da legalidade, sem fundamentos em lei.

 

 Proibição

A nova lei também restringe o fumo nas praças de alimentação, saguões, escadas, rampas, antecâmaras e corredores. Segundo a prefeitura do Rio, a medida foi tomada para garantir a qualidade do ar nos ambientes coletivos, protegendo a saúde das pessoas.


De acordo com a prefeitura, quem não obedecer a proibição estará sujeito à advertências e poderá ser retirado do recinto. O decreto estabelece também que serão considerados infratores os responsáveis pelos locais proibidos onde as pessoas estejam fumando.


Leia mais notícias do Rio de Janeiro




busca por


editorias


G1 especiais


serviços



Formulário de Busca


2000-2008 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade